Construção de fábrica vai gerar economia para prefeitura e emprego para presos

Empaer cedeu para uso uma área no entorno da Penitenciária de Ferrugem para construção de fábrica de artefatos de cimento.

A Fundação Nova Chance (Funac) e o Conselho da Comunidade de Sinop formalizaram junto a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) um Termo de Cessão de Uso de uma área de 8 mil m² no entorno da Penitenciária Osvaldo Florentino Leite Ferreira (Ferrugem), em Sinop. A assinatura foi realizada na terça-feira (23.02).

Por meio de parceria com a Prefeitura Municipal de Sinop, na área serão construídos dois galpões para uma fábrica de artefatos de cimento e depósito de tubos. Com a unidade fabril, o município terá economia com a compra de tubos de concreto, blocos, mourões, lajotas, pré-lajes, dentre outros produtos na infraestrutura urbana e na construção de loteamentos e casas populares. Cerca de 20 presos serão empregados na fábrica.

Para o presidente da Funac, Emanoel Flores, o trabalho é um dos pilares para a ressocialização das pessoas privadas de liberdade, o que colabora para a redução dos índices de criminalidade. “A exemplo de Lucas do Rio Verde, a Prefeitura de Sinop em Conjunto com o Conselho da Comunidade, Secretaria Adjunta de Administração Penitenciária e Fundação Nova Chance, iniciaram a formalização de uma parceria para instalação de uma fábrica de artefatos de concreto. É importante destacar que a nova frente de trabalho ampliará a ressocialização local, reduzindo os índices de reincidência de criminalidade”.

Segundo o diretor executivo do Conselho da Comunidade de Sinop, José Magalhães, a implantação da fábrica terá papel fundamental na ressocialização dos presos da Penitenciária de Ferrugem. “Além de ocupar o tempo ocioso dos reeducandos, irá contribuir para a qualificação e humanização destes, servindo de estímulo à reinserção social, motivação e fomentação de novas oportunidades, evitando assim a reincidência ao mundo da criminalidade ao tempo que à produção de artefatos de cimento será utilizado em diversas frentes de trabalho da prefeitura”.

Remuneração do preso

Trabalhar faz toda a diferença para evitar que o custodiado seja arregimentado por grupos criminosos, mas também traz alento na remição da pena, pois cada três dias de trabalho significam um dia a menos na prisão. Além disso, quando o reeducando deixa a unidade, ele tem um recurso financeiro, graças ao trabalho desenvolvido.

O salário do preso é pago pelas empresas em três contas. Ele pode movimentar um terço do valor, indicar um dependente para poder usar outro terço, o que é opcional, enquanto a terceira parte vai para a conta pecúnia, que é tipo uma poupança, que ele saca ao deixar o sistema penitenciário.

Fonte: Débora Siqueira | Sesp-MT

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.