Instituto de pesquisa quer saber se cuiabanos aprovam ou não plebiscito

A Empresa Percent Pesquisas & Consultoria iniciou nesta segunda-feira (220 uma pesquisa para saber a opinião das populações cuiabana e várzea-grandense sobre o debate entre VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) e BRT (Ônibus Leve sobre Pneus).

Segundo a empresa, a intenção da pesquisa é saber se a população concorda ou não com a realização de um plebiscito para decidir qual é a melhor opção de transporte público para os usuários da grande capital.

O plebiscito foi sugerido pelo deputado federal Emanuelzinho (PTB) e endossado pelo prefeito da capital, Emanuel Pinheiro (MDB), que tenta emplacar o projeto através de algum deputado na Assembleia Legislativa.

O plebiscito funciona como uma disputa eleitoral, realizado, inclusive, pelo próprio Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT). Pelo período de 30 dias, uma campanha em emissoras de rádio e TV é realizada, mostrandos os prós e contras de ambos os modais.

O resultado sai na próxima quarta-feira (24) e pode servir para pressionar os poderes públicos pela realização da consulta popular.

Troca de modal

O “enterro” do VLT foi anunciado pelo governador Mauro Mendes (DEM) em dezembro de 2020, que considerou o BRT mais viável – construção mais econômica, custeio mais barato e tarifa mais baixa. Desde então, embates acalorados marcam a política mato-grossense.

A Assembleia Legislativa já autorizou, inclusive, que o contrato com a Caixa Econômica Federal seja alterado, mudando o objeto do VLT para BRT.

No entanto, o prefeito Emanuel Pinheiro, defensor ferrenho do VLT, iniciou uma batalha jurídica a fim de impedir o trâmite. Ele afirma que, antes de tudo, Cuiabá tem que ser ouvida e não apenas acatar uma decisão unilateral do governador.

Comentários estão fechados.