Ouvidoria da Defensoria Pública distribui cestas básicas a pessoas carentes de seis cidades

A Ouvidoria-Geral da Defensoria Pública de Mato Grosso tem ampliado o atendimento à população, com a distribuição de cestas de alimentação, máscaras e álcool em gel durante a pandemia da Covid-19, além do atendimento com pedidos de informações, reclamações e sugestões à Defensoria Pública no primeiro semestre de 2020.

Segundo o órgão, a taxa de acesso ao cidadão teve um crescimento de 154,32%, se comparada com o mesmo período do ano passado, quando foram registrados 1.586 atendimentos.

O ouvidor-geral do Estado, Cristiano Preza, informou que a campanha “Ouvidoria Solidária” já atendeu diversas pessoas carentes em seis municípios.ouvidoria campanha

Segundo Preza, o objetivo é orientar e apoiar a população carente na maior crise que o Brasil está sofrendo. A campanha deve continuar para distribuir mais alimentos e produtos, enquanto for necessário.

Foram quatro dias – de 12 a 15 de agosto –, nos municípios de Nova Mutum, Lucas do Rio Verde, Sorriso, Sinop, Marcelândia e Alta Floresta, em que 10 entidades foram atendidas.

Com 280 cestas básicas, 400 frascos de álcool em gel, 780 máscaras e 720 pacotes de biscoitos para famílias carentes nos bairros de cidades. No total, a equipe da ouvidoria percorreu 1.776 km.

“Estamos muitos felizes com a realização dessa campanha. Foram várias cestas básicas, álcool em gel e máscaras, que vão garantir a proteção, e mais alimentos a pessoas vulneráveis e carentes. Tivemos a oportunidade de falar da importância da relação entre a sociedade civil e a defensoria, além de explicar o objetivo da campanha”, disse o ouvidor.

Já sobre o atendimento online e físico da ouvidoria à população, o ouvidor informou que a maior proximidade da população com o órgão é principalmente pelo canal “DefenZap”, pelo aplicativo WhatsApp. O canal permite que a população de qualquer comarca do Estado registre seus anseios em relação à Defensoria e aos serviços prestados pelo órgão.

“Dos 4.031 atendimentos, 3.272 foram feitos por envio de mensagem, ligação com uso do aplicativo e pelas mídias sociais. A condição atípica, imposta pela pandemia, também teve reflexo nesse crescimento. Mas, não só isso, pois até o lançamento do DefenZap, apenas 7% de nossos atendimentos eram do interior. Após o lançamento, no primeiro ano de uso da ferramenta, o índice subiu para 20%, e agora, para 25%. As manifestações vêm de todo o Estado, de onde tem e de onde não tem a Defensoria instalada”, disse.

 

Comentários estão fechados.